Blog Farmácia Newsletter Janeiro 2022 n3 – Direito Sanitário e Farmacêutico WhatsApp News

25/01/2022

Auditoria e fiscalizações em farmácias

Primeiramente devemos entender que ser inspecionado/fiscalizado, faz parte da atividade do setor FARMA. Então, teremos que ter um tratamento rotineiro para estas atividades.

Uma das melhores ferramentas é o treinamento da equipe, qualificando auditores/fiscais de qualidade internos, para que as auto inspeções, que são obrigatórias pelas legislações, sejam realizadas conforme as inspeções sanitárias e profissionais são feitas, com atenção principal nas não conformidades classificadas como imprescindíveis e necessárias.

Como não podemos usar os próprios fiscais como treinadores (impedimentos legais), os auditores externos independentes podem ser contratados para treinar sua equipe!

Importante salientar que o auditor externo independente não pune, não lavra termos ou autos infracionários, mas ajuda na identificação e correção de não conformidades. Assim como o fiscal, o auditor externo independente tem seu universo ampliado, conhece mais empresas e mais fluxos de trabalhos.

Quando se contrata um auditor externo independente, estamos melhorando os fluxos e preparando nossa empresa para as fiscalizações. Mas esta cultura de qualificação e prevenção não é disseminada no canal FARMA como deveria. O auditor externo independente ainda não é visto como um ‘tratamento preventivo’, mas apenas como uma pessoa que vai ver que faço algo errado e gera despesa.

Nós, da Brum Consulting, disponibilizamos para todo o Brasil, este modelo de auditoria externa independente. Caso sua Farmácia ou Empresa tenha interesse, basta fazer contato.

 

Diferenças básicas:

 

Auditoria Interna

 

Fiscalizações

 

A auditoria é realizada por um funcionário da empresa, geralmente o farmacêutico DT

 

A fiscalização é realizada por um agente público especializado com poder de polícia

 

O objetivo principal é atender as necessidades normativas conforme entendimento da administração da farmácia

 

O objetivo principal é atender as legislações no que diz respeito à risco sanitário , tendo por base a experiência do fiscal

 

A revisão dos procedimentos é principalmente realizado para promover atualizações e adequações às normas

 

A análise dos processos e do controle interno é principalmente realizado para determinar a fidedignidade às normativas e regramentos.

 

O trabalho é subdividido em relação às áreas operacionais e às linhas de responsabilidade

 

O trabalho é focado em relação aos processos estabelecidos conforme as atividades desenvolvidas

 

O auditor diretamente se preocupa com a detecção e prevenção de erros

 

O fiscal se preocupa com a detecção e prevenção do risco sanitário – PODER DE POLÍCIA

 

O auditor deveria ser independente em relação às pessoas cujo trabalho ele examina, porém ele está subordinado às necessidades e desejos da administração

 

O fiscal é independente em relação à administração, de fato e de atitude profissional

 

A revisão das atividades da empresa é contínua

 

O exame das informações e fatos comprobatórios dos cumprimentos das normas é periódica, geralmente semestral ou anual.

Luís Fernando Brum – Farmacêutico.

Fonte: Brum Consulting. Acesso em: 25/01/2021.

Compartilhe:


Voltar

 

Compartilhe no WhatsApp