Blog Farmácia Newsletter Julho 2021 - n2 – Direito Sanitário e Farmacêutico WhatsApp News

05/07/2021

O poder normatizador da Anvisa

Vemos frequentemente novas normativas da Anvisa, que sob um “imaginário” controle sanitário, veda atividades farmacêuticas, sendo que algumas delas não possuem qualquer embasamento técnico ou legal.

 

O princípio constitucional da legalidade estabelece claramente que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”, evidente que as Resolução da ANVISA, que não se equiparam a Lei, naturalmente não podem proibir uma prática que a Lei Federal não coíbe.

 

Ou seja, a administração pública submete-se de forma rigorosa ao princípio da legalidade administrativa e só poderá ser exercida quando estiver em conformidade com a Lei, pois todo ato que não possuir embasamento legal, é ilícito.

 

A ANVISA tem o poder de exercer uma função normativa secundária, desde que observadas as normas hierarquicamente superiores, assim, o setor magistral, que obedecem as Boas Práticas Farmacêuticas, possuem todas as licenças e alvarás necessários para realização de serviços de manipulação, além de contar com responsáveis técnicos devidamente habilitados e capacitados para as atividade, não podem aceitar passivamente autuações e vedações ao livre exercício de suas atividades. 

 

Flávio Mendes Benincasa

OAB/PR 32.967, OAB/SP 166.766 e OAB/MG 164.652

 

Compartilhe:


Voltar

 

Compartilhe no WhatsApp